Google

Filhos e Filhotes – Parte 02/03

por

A psicóloga Cleusa Chagas fala a respeito da chegada de um novo membro à família: um animal de estimação!

Saiba quais são os cuidados que você deve ter ao pensar em integrar um novo membro a sua família!!!

Boa leitura…

————————————————-

Se já possuímos nossos queridos herdeiros e queremos trazer a família um pet, devemos levar em consideração a idade da criança.

Crianças com menos de 3 anos que nunca tiveram pet são complicadas, pois não tem noção de sua força, ainda não assimilam questões como dor e incomodo no outro, para essas crianças o filhote pode ser visto como um brinquedo, o que para o filhote não é bom, pois o mesmo, dependendo da raça e tamanho, pode revidar a uma brincadeira mais agressiva e sem querer machucar a criança.

Se seu filho nunca teve um pet, espere ele completar três anos, é melhor para ele, antes dessa idade ele não entenderá que tem responsabilidades sobre outra vida, e ainda pode ficar com ciúmes do filhote, já que este por estar entrando na família deverá ter uma atenção a mais.

Crianças com 3 anos ou mais tanto podem como devem ter animais. Nesse caso, além de ver a idade da criança devemos analisar também o espaço e tipo de rotina que a família ao todo tem. Geralmente as crianças pedem cães, algumas podem pedir porquinhos da índia, hamister, coelho, gatos, enfim… Todos, tanto seres humanos como animais, são muito capazes de se adaptarem, porém para ajudar no processo filhos e filhotes, devemos levar em consideração esses fatores para o bem de todos.

 

Escrito por Cleusa Chagas (terapiapsicomportamental@gmail.com)- Psicóloga clínica comportamental, apaixonada pela psicologia e por animais, acredita que os pets podem auxiliar nas terapias.

Gostou?

Então deixe um comentário! Conte sua experiência…

Compartilhe com outros pais…

A UNIMP é um espaço de compartilhamento de experiências e descoberta de novos caminhos e ferramentas que facilitem o processo de educação e relacionamento entre pais e filhos. Nossa missão é auxiliar os pais a resgatarem sua autoconfiança e a desvendarem um caminho mais tranquilo, seguro e feliz no processo educacional de seus filhos, tornando-os assim, companheiros de jornada e transformando a família em um porto seguro, que lhes dá inspiração para seguir ultrapassando os obstáculos que a vida pode proporcionar e conquistando sonhos.

Gostou? Deixe um comentário!!!