Google

Preparando seu filho (e você mesma) para a escolinha

por

Olá mamães e papais,

Hoje a psicóloga Evelin Ribeiro tratará de um assunto que aflige especialmente as mamães, quando elas estão se preparando para retornar ao trabalho, e precisam se separar de seus filhos que são muito pequenos e ainda mamam no peito.

A Evelin fala com a propriedade de uma psicóloga, mas com a experiência de uma mãe.

Acompanhe as dicas que ela dá…

Boa leitura!

————————————————–

PREPARANDO SEU FILHO (e você mesma) PARA A ESCOLINHA.

Após o nascimento do tão esperado bebê, o laço entre este e a mãe se torna ainda maior, onde além de amor há uma preocupação constante com a segurança do novo membro da família. Se você acredita que em algum momento de sua vida isso vai mudar, pode ficar tranquilo(a), mudará sim, porém por outras preocupações.  E a questão escolar é uma dessas preocupações e dúvidas.

Embora o período de licença maternidade seja de quatro meses (ou seis, dependendo da adoção deste período pelo empregador, em acordo com a nova legislação), esse período pode acabar variando de acordo com cada situação, ou seja, se ocorrer alguma intercorrência com a mãe durante a gestação, isso pode antecipar sua saída do trabalho, dando início à licença. E isso significa também em ficar menos tempo com o seu bebê futuramente.

Chegará o momento de pensar em colocar seu filho em uma creche ou escolinha, e esse momento deve ser encarado com certo cuidado e organização, pois a tarefa de encontrar uma escolinha para seu filho, não é tão simples assim. (Clique aqui para ler “A Escolha da Escolinha”)

O preparo não deve ser apenas da criança, mas da mãe também, pois vocês passarão juntos por uma nova fase.

Se você passou por uma fase de amamentação tranquila e manteve o bebê apenas com leite materno, será necessário passar por uma adaptação gradual de preferência no mês anterior a volta ao trabalho. Mas isso não significa o desmame. Você pode realizar a ordenha, congelar o leite materno e proporcionar ao seu filho essa rica vitamina essencial para a vida. Pode ser necessário pensar também em um complemento alimentar para auxiliar na alimentação. É estritamente fundamental o acompanhamento de seu pediatra nesse momento, que lhe ajudará a decidir quais são as melhores opções para garantir um bom desenvolvimento e crescimento para o seu bebê.

Não se preocupe tanto com o início dessa separação entre mãe e o bebê, isso não vai comprometer o sentimento que nutrem um pelo outro. Nem toda mãe, nos tempos atuais, pode ficar com seu filho, por isso é tão importante esse preparo para ambos.

Quando você se torna mãe já começa a compreender o significado da palavra culpa e como lidar com ela da melhor forma. O melhor é esquecer a culpa, pois a insegurança dos pais pode ser facilmente percebida pelos filhos, mas se esse momento gerar muita angústia, não hesite em procurar ajuda.

Tente colocar seu filho de preferência um mês antes de sua volta ao trabalho por pelo menos meio período na escolinha, desta forma a mudança não será tão brusca para você e para ele. Possivelmente quem sofrerá mais será você como mãe do que o bebê. Aproveite esse tempo livre para fazer coisas que já não conseguia fazer a algum tempo, pois um bebê toma muito do seu tempo, não é mesmo? Isso vai ajudá-la a não ficar tão tensa e pensativa em como está o bebê, além de não ficar tão compulsiva controlando o tempo, já que, mesmo desejando, a hora vai demorar a passar no primeiro dia de escolinha. Desta forma quando chegar o momento de deixá-lo em tempo integral, se isso for necessário e bom pra você e para a criança, você vai conseguir lidar com mais segurança.

Mesmo quem teve a oportunidade de ficar com seu filho em tempo integral ou deixá-lo com algum parente, babá, etc., terá que passar também por esse preparo e escolha pela escola, sendo assim não tem jeito de fugir, todos passarão por essa fase em algum momento.

Você poderá se questionar: qual será o melhor momento de colocar seu filho em uma escolinha? Na verdade não há uma idade correta para colocá-lo, caso ele esteja em casa. Tanto você, quanto a criança, vão sentir essa necessidade e entender qual o melhor momento para vocês. Até porque não há necessidade ou vantagem em colocar a criança muito cedo na escolinha, ela se torna benéfica quando a criança passa a interagir com outra criança e a sentir essa necessidade com maior frequência. Em geral, a socialização se inicia em torno dos dois anos.

Muitas mães preferem colocar os filhos em creches ou escolas, quando já estão se comunicando com maior facilidade. Se for seu caso, introduza-o nesse momento, sempre explicando o que ele vai fazer na escola e o quanto será importante para ele se desenvolver e conhecer novos amiguinhos.

A primeira semana é mais complicada e fundamental para a adaptação da criança. Seja sincera, explique como será a nova rotina, tente ir buscá-lo(a), se não puder buscá-lo explique o motivo, caso faça a opção por transporte escolar, será interessante acompanhá-lo nos primeiros dias para que se sinta seguro, mas deixe claro por quanto tempo fará isso e explique o motivo. Se ele sentir muita dificuldade de ficar na escola, não há nenhum mal em ficar um tempo com ele, mas sempre explique a sua presença e o tempo que ficará.

Aproveite para estimular ainda mais a criança ao chegar em casa, realizando perguntas sobre as atividades que fez no dia escolar, porém fique mais atenta nas informações que ele traz e não o pressione por uma resposta.

Posteriormente, entraremos mais a fundo no assunto da seleção da escolinha. Até lá!

Escrito por Evelin Ribeiro (evelinribe.psic@gmail.com): psicóloga, atualmente vivenciando o papel de mãe e apaixonada pelas descobertas diárias que a maternidade oferece.

Gostou? Então deixe um comentário! Conte sua experiência…

Compartilhe com outros pais…

A UNIMP é um espaço de compartilhamento de experiências e descoberta de novos caminhos e ferramentas que facilitem o processo de educação e relacionamento entre pais e filhos. Nossa missão é auxiliar os pais a resgatarem sua autoconfiança e a desvendarem um caminho mais tranquilo, seguro e feliz no processo educacional de seus filhos, tornando-os assim, companheiros de jornada e transformando a família em um porto seguro, que lhes dá inspiração para seguir ultrapassando os obstáculos que a vida pode proporcionar e conquistando sonhos.

Gostou? Deixe um comentário!!!